Visando atender o pedido dos caminhoneiros referente à redução do preço do diesel, o governo federal diminuiu em R$ 0,07 o litro do combustível até o último dia 7 e desde então aumentou a diminuição para R$ 0,30/litro. Porém, para que isso fosse possível foram necessários alguns cortes de vários órgãos. Entre as áreas mais afetadas estão a produção familiar, a reforma agrária e as exportações.

No Ministério da Agricultura os cortes no orçamento, previsto para o ano de 2018, chegam a R$ 12,35 milhões. A área de Defesa Agropecuária vai perder quase R$ 3 milhões de investimentos em ações e programas de fortalecimento da sanidade animal e de modernização de laboratórios. Outro afetado no setor é o seguro rural, com menos R$ 3,4 milhões.

 

Cortes na agricultura familiar 

A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário – SEAD, vinculada à Presidência da República, perdeu R$ 17 milhões do orçamento. Porém, de acordo com o secretário da pasta, Jefferson Coriteac, o corte não vai prejudicar diretamente o agricultor familiar.

“Acreditamos que, até o fim do ano, através de novas negociações, o governo possa suplementar o orçamento da Sead. Com isso, as primeiras políticas em que nós vamos empregar esse valor serão as que foram subtraídas neste primeiro momento”, diz o secretário.

 

Cortes nas exportações

 Em relação às exportações, foi anunciado pelo governo a redução de 2% para 0,1% do Regime Especial de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra). Esta medida reduz a devolução de parte dos impostos cobrados na cadeia de produção aos exportadores.